A palavra crônica deriva do grego “chronos” que significa “tempo”. Nos jornais e revistas, a crônica é uma narração curta escrita pelo mesmo autor e publicada em uma seção habitual do periódico, na qual são relatados fatos do cotidiano e outros assuntos relacionados a arte, esporte, ciência etc.

A crônica é uma forma textual no estilo de narração que tem por base fatos que acontecem em nosso cotidiano, é uma narrativa histórica que expõe os fatos seguindo uma ordem cronológica. Normalmente, é uma leitura agradável, onde o leitor se identifica com as ações tomadas pelas personagens, ou com os fatos relatados.

Pode ser uma visão crítica do autor em relação aos fatos descritos e, muitas vezes, através de frases dirigidas ao leitor, chamar a atenção para o que está acontecendo e buscar uma opinião, um posicionamento.

Existem as crônicas jornalísticas, humorísticas, históricas, descritivas, narrativas, dissertativas, poéticas e líricas. Os jornais e revistas estão cheios de crônicas.

O autor procura criar a crônica com um texto informal onde o leitor se identifica e, algumas vezes, interage com o texto. É um texto objetivo, curto e de linguagem simples, o que o torna ainda mais próximo de todo tipo de leitor e de praticamente todas as faixas etárias.

O autor pode utilizar de várias figuras de linguagem para fazer a crônica atingir o seu objetivo. Muitas vezes é através da ironia e do sarcasmo que o objetivo é atingido.

A crônica humorística atinge o leitor através de ironia, relato de fatos bem humorados, situações divertidas. Exemplo: “O feijão” – publicada no meu blog.

Escritores brasileiros que se destacam neste tipo de narrativa são Fernando Sabino, Luis Fernando Verissimo, Millôr Fernandes. Alguns outros famosos cronistas são Arnaldo Jabor, Martha Medeiros, Rubem Braga, entre outros.

Características da crônica:

  • narração curta;
  • descreve fatos da vida cotidiana;
  • pode ter caráter humorístico, crítico, satírico e/ou irônico;
  • possui personagens comuns;
  • segue um tempo cronológico determinado;
  • uso da oralidade na escrita e do coloquialismo na fala das personagens;
  • linguagem simples.

Para quem não gosta de ler – acredito que quem não
gosta de ler é uma pessoa que não sabe o que está perdendo ao
não ler – uma crônica é um texto mais fácil para iniciar esse hábito
tão saudável e importante.

https://brasilescola.uol.com.br/redacao/cronica.htm


ARTUR LAIZO – Nasceu em Conselheiro Lafaiete, (08/11/1960). Mora em Juiz de Fora onde exerce a profissão de médico, cirurgião geral.

É presidente da LIGA DE ESCRITORES, ILUSTRADORES E AUTORES DE
JUIZ DE FORA – LEIAJF. É membro da Academia Juiz-forana de Letras e da Academia de Ciências e Letras de Conselheiro Lafaiete.