Papo Reto - Eu Leio Brasil _ menor

Eu não queria trazer esse tema tão cedo para a coluna, por ele justamente ser um dos temas do meu novo livro, mas após esse fim de semana e uma conversa entre amigas, meu coração sentiu a necessidade de falar sobre isso, de trazer essa busca angustiante ao centro da discussão.
Quem nunca procurou a aceitação de alguém?
Seja da família, dos amigos, da sociedade?
Sinto que nós – principalmente as mulheres – estamos em constante busca de sermos aceitos pelo que somos, gostamos, vestimos, pesamos e comemos.
Por vezes, deixamos de ser o que queremos, para nos adaptarmos a maneira como a sociedade nos exige ser. Até onde a gente vai para ser o reflexo fiel no que não queremos?
Meu círculo muito fechado de amizades, me revela verdades de pessoas ao meu redor que me choca, que me dói e me fazem sofrer com suas batalhas internas, por ser confidente de amigos, suas dores a mim transmitidas de chocam ante a brutalidade da; aceitação.
Distúrbios alimentares, depressão, vida regada a festas e bebedeiras, sem fim, para sessar a dor incontrolável de não poder revelar suas vontades e desejos. Por não aceitar os quilos a mais, o cabelo crespo, as marcas duras da vida.
A aceitação é um processo que deveria ser de dentro para fora, mas inverte-se quando a sociedade nos impõe padrões absurdos, físicos e mentalmente.

sofrimento

Eu demorei exatos 22 anos para entender minha orientação sexual, porque eu sentia atração tanto por homens como por mulheres, e levei 24 anos para aceitar que era bissexual, e assumir isso para mim e minha família, pois, embora para mim as pessoas devem ser felizes como querem, ainda era complicado assumir minha orientação para mim mesmo, com medo de decepcionar família e amigos, por sorte nada mudou para eles, foi como contar que mudaria a cor do cabelo.
Minha amiga levou 24 anos para perder a virgindade, a outra 26, pois acreditavam que ninguém as queriam por serem gordas.
Alguém mais próximo está passado por tratamentos para aceitar que é linda e maravilhosa do jeito que és.
Outra amiga busca, aos 26 anos, após casar e ter um filho, a aceitação e permissão da mãe para viver.
Tem a que casou com um boçal para fugir ganhar a aprovação da família, e fugir das garras da mãe que exigia perfeição a tudo.
Essa busca por ser aceito é cruel, dolorosa e mortal.
Ela te fere, te humilha, te leva à beira da loucura.
Precisamos parar de impor padrões e aceitar o diferente como ele é: diferente, somos todos diferentes aos olhos dos outros e é isso que nos faz únicos.

aceitacao
Aceitem-se.
Não deixe que essa busca te faça sucumbir, eres perfeito exatamente como és.
Não faça como a Sofia da minha história, que perdeu a vida na busca de aceitação.
Com amor.

22687677_10208134642163091_194420291882087834_n

Mai Passos é escritora. No instagram @maipassosg