20190223_170739

por Maria Clara Magalhães

Há poucos anos, não se falava com frequência sobre empoderamento, este assunto era discutido em faculdades ou em grupos mais fechados.

Ler é uma coisa muito perigosa, abre a mente. Tanto é que na época da ditadura militar, vários livros foram proibidos.

Hoje, ele é uma ferramenta muito importante nesse universo feminino, que de um tempo pra cá, tem crescido muito.

Assuntos como empoderamento, desconstrução e auto estima são temas bem frequentes, não só em livros com esta temática, mas também em vídeos no YouTube e programas voltados para esse universo.  Antes abrangia beleza, culinária e moda, mas hoje, além de todos esses temas, eles abrangem outras áreas, como empreendedorismo e finanças.

Grandes nomes abraçaram essa causa, como a jornalista Ana Paula Padrão junto com a Natália Leite, que criaram  a “ Escola de Você”, que incentiva as mulheres com pequenos vídeos sobre os mais diversos temas envolvendo o universo feminino. Como  ”Papo Calcinha”, mas não pense que é bobeira, muito pelo contrário. É um alerta, para o valor que damos as coisas e o tempo que dedicamos a nós.

No YouTube,  temos outra linda que comanda com maestria os vídeos Jout Jout, um dos vídeos mais assistidos é “Batom Vermelho”, que é um alerta sobre relacionamentos abusivos.

Ainda neste universo temos empresas que criaram programas de incentivos, onde mulheres ajudam outras mulheres, criando assim uma corrente do bem.

Muitas ainda tem sua auto estima mal trabalhada.

Não é fácil se desconstruir, ser empoderada da noite para o dia, é um processo que requer um tempo diferenciado para cada pessoa.

Vivemos numa sociedade machista, com dogmas pré estabelecidos, onde éramos postas em segundo plano, delegando a nós apenas afazeres domésticos. Tanto é que só tivemos direito de votar em 1932.

Hoje, temos a consciência que podemos sim, fazer e ser quem quisermos.

Que lugar de mulher é onde ela quiser.

Nós não precisamos fazer aquilo que não queremos fazer, que temos direito sim de vestir o que quisermos, pois roupa não rotula ninguém, nem dá o direito ao outro de nos ferir ou tocar pois não é não.

Infelizmente, as estatísticas ainda não estão a nosso favor, pois a cada minuto, uma mulher é estuprada no Brasil.

Casos de abusos também sobem a cada dia, muitas mulheres sofrem abusos dos próprios maridos e namorados.

Ainda temos um longo caminho pela frente em busca de igualdade de direitos. Mas a mudança já começou. Hoje eu vejo mulheres com mais atitudes, ocupando cargos que antes eram apenas da esfera masculina. Tanto no esporte como na política.

Vejo mulheres de opiniões, que sabem o que querem, e o que não querem. Optar em ter filhos ou não, e tudo bem com a sua decisão.

Conheço mulheres de fibra, que matam um leão a cada dia, que vencem o medo, que batalham, são guerreiras.

O verdadeiro “Mulherão da Porra”.

Nossa literatura se empoderou com livros que abordam muito bem essa temática, não são livros de auto ajuda e sim de conscientização, superação, mostram exemplos e caminhos, que existe luz no fim do túnel e que nada é impossível.

“Impossível é apenas uma opinião”

                                              Caroline Casey.download

Dica de livro: Antologia  Mulherão da Porra

Organização Vanessa Nunnes

Editora Rico.

Contos que abrangem esse universo.

 

                                                                                                                                                                                      595b5630-9e7f-41ef-9ef9-1e667923a82d

Clara Magalhães é pedagoga, professora, autora e adora ler e escrever. Participante de 7 antologias, está em constante crescimento. A inquieta carioca adora viajar, conhecer coisas novas e é uma amante da gastronomia.