martineau

por Maleno Maia

Em nossa literatura, é comum encontrar livros baseados em histórias reais. Há um fato que marcou a história da cidade do Rio de Janeiro, causando grande repercussão na época. Esse assuntou foi tratado com exímio dentro do livro Casa de Pensão, de Aluísio Azevedo.

Já conheço grande parte da obra dele, e muitos destacam que esse livro é nitidamente inferior ao Cortiço. Eu já não sustento essa opinião. Acredito que ela seja uma evolução, uma construção em busca de juntar o realismo com o naturalismo; ou seja, uma vertente caminhando para a outra. É obvio que em Casa de Pensão o naturalismo ainda não é explorado em sua máxima riqueza como em O Cortiço, mas percebemos coisas bem similares, como a valorização do coletivo e a descrição de personalidades e ambientes de forma detalhada e bem realista; diante disso, era impossível não imaginar as feições das pessoas, os seus trajes, os seus trejeitos, como se estivéssemos assistindo a um filme. A forma de escrita, característica do realismo, só poderia ser extremamente minuciosa. E esta era uma escola literária que bem aludia e representava essa denominação “realismo”

Talvez a única coisa que poderia incomodar alguns leitores iniciantes, seria o vocabulário rico e rebuscado, com uso recorrente de adjetivos, apesar de não ser uma linguagem tão enxuta quanto em O Cortiço. Ainda sim é uma escrita mais corrida e fluida.


A única ressalva é que há um momento que a história se torna monótona, mas em um saldo final vale muito a pena; é um livro que mergulha na hipocrisia das pessoas, nos jogos de interesses, nas sujeiras humanas e intrigas. A obra foi inspirada na Questão Capistrano: um fato que abalou toda a cidade do Rio de Janeiro. Ela possuía ares de uma boa novela, pois comungava situações de amizade, amor, vingança, intrigas e assassinato. Todos esses ingredientes foram sumários para levar Aluísio a transferi-los para o seu romance. Mas pensem todos esses temas dentro de uma obra realista, até parece difícil imaginar, mas eis que a fórmula deu mais que certo.

É um grande livro que às vezes as pessoas não sabem de sua importância, pois Casa de Pensão acabou sendo camuflada pela representação de supremacia estabelecida para O Cortiço. Existem no meio uma má compreensão e opiniões às vezes covardes de comparar as duas obras. Mas saliento que ela é intensa, envolvente e inebriante, e que te deixará perplexo por ver pessoas manipularem outras por puro interesse.

                                                                                                                                                                                      

12316443_1094925313874118_8849977606933121462_n

Maleno Maia nasceu em Santo Anastácio, interior de São Paulo e atualmente mora em Presidente Prudente – SP. É professor licenciado em Química, poeta, contista, romancista e colunista do blog Literanima.