Uma literatura saindo do armário direto para as estantes

20629173_1532664540087654_461917647_o

A importância de sair do armário. Assim como na nossa vida pessoal, a atitude de assumir sua sexualidade para as pessoas a sua volta é um gesto pequeno mas que tem grande importância num grau em escala maior para a visibilidade da diversidade. Mas ainda assim, sair do armário é uma posição que pode ser tomada ou não, e deve ser respeitada. O que estende uma outra discussão.

Fato é que cada vez mais, assim como a população LGBT jovem, a literatura brasileira está saindo do armário e produzindo cada vez mais obras plurais. A diversidade é hoje cada vez mais uma realidade na literatura brasileira. Há muito a ser alcançado ainda, mas muito já está sendo feito. A consciência de que estamos a cada dia conquistando um pouco mais.
Com mais livros que apostam na representatividade, cada um de nós pode reconhecer a singularidade de suas diferenças. Afinal, a diferença une a todos nós. Imaginando uma sociedade mais tolerante e preparada a lidar com as divergências.
Incentivar alguém? Como? Mas e seu filho? Ah, não diga bobagens, não se pode mudar algo que não se escolhe, mas simplesmente é. Com cada vez mais diversidade, se pode simplesmente escolher o caminho que nos faça feliz, independente de qual for.

O segredo de toda essa transformação passa pelo mercado. Cada vez mais as empresas sabem que ativismo vende. Nós como consumidores devemos estar conscientes das escolhas e das marcas que consumimos, pois coloca pra girar essa grande engrenagem a nosso favor, e não contra nós. Temos o poder de decisão nas nossas mãos.

Nas plataformas digitais, a sessão LGBT é obrigatória tanto nas plataformas literárias quanto nas de produções audiovisuais. Mostrando a grande demanda existente. A gente quer se sentir representado, quer saber que outras pessoas vivem as mesmas angustias e dramas que nós.

O que é ser uma obra LGBT? Ou preocupada com a diversidade?

Ela deve ter exatamente a gama mais plural de personagens e representações. É claro que só um livro não pode dar contar de toda a diversidade do mundo, é impossível, mas com diferentes livros mostrando diferentes tons do arco-íris, teremos uma literatura cada vez mais colorida. Não é simplesmente um casal protagonista, mas uma gama muito mais rica. Pode ser apenas um personagem, desde que ele seja representado sem estereótipos, ou não seja usado apenas como alívio cômico, mas que suas verdades e angustias sejam mostradas. Chamando assim os mais diversos públicos, mostrando possibilidades tão plurais quantos nós somos, além de padrões pré-estabelecidos. Além de uma literatura de nicho, podemos criar novas e outras possibilidades que podem mesclar e misturar diferentes formas, abrindo cada vez mais portas. Vamos sair do armário, vamos colorir essa literatura!

Com tanta oferta, nós aqui da coluna, tomamos a missão de tornar essas obras cada vez mais conhecidas. A partir da semana que vem vamos passar a indicar livros, filmes, contos e outras propostas que apostem na diversidade. Desde os clássicos, antigos ou novos. Fazendo um estante bem multicolorida, com várias tonalidades de cores.

Se você conhece algum livro ou filme que te espelhou, que te mostrou possibilidades, que te fez refletir sobre o assunto, deixe suas indicações e vamos tirar essa literatura do armário e colocar num lugar privilegiado de nossa estante.