20370955_1842954945721699_647528914_n

AGENTES LITERÁRIOS:
ONDE VIVEM, COMO SE REPRODUZEM, ONDE ENCONTRÁ-LOS?

Bom, gente, estou de volta para conversar com vocês mais uma vez, tirando algumas dúvidas
sobre o mercado editorial. E hoje eu resolvi falar sobre algo que faz parte do meu dia a dia.
Os famosos, temidos e ansiados agentes literários.

No mercado editorial, somos vistos muitas vezes como os salvadores da pátria. Aquele que vai
te levar para o mundo glorioso da fama, do sucesso, do poder, ajudar a sua obra independente
no ansiado best-seller da editora do momento. É como se o agente fosse a idealização de seus
sonhos, alguém como nos filmes hollywoodianos que tratam do assunto, que você escreve
uma obra, manda para o seu agente, e ele diz, dias depois: seu livro sairá no próximo verão.

Se você pensa assim, desculpa, mas essa não é a verdade.

Portanto, pare agora mesmo de ver filmes sobre o assunto. Ou fique caçando o seu editor
pelas redes e Bienais como quem caça um Pokemón.

Prometo falar aqui a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade.

O papel do agente editorial é mediar as negociações entre editora e autor. Para a editora, ele
representará o autor, e vice-versa. Cabe a ele ver qual casa editorial é mais adequada à sua
obra, e oferecê-la evidenciando todas as vantagens que a obra e o seu criador possuem.
Então, em um mercado competitivo, em um período de recessão como o nosso, não adianta
ao agente oferecer uma obra inédita, a primeira de um ilustre desconhecido. Para você ser
atrativo para uma casa editorial grande, você tem de possuir uma carreira independente
firmada, números nas redes e de vendas, mostrando para a editora que você e sua obra são
produtos vendáveis. Porque sim, para a editora, vocês são produtos que serão colocados para o
consumo público. Simples assim.

Então o escritor pode ter amor na obra, muito e sempre. Mas o agente não vai ter tudo isso.
Talvez uma paquera, um lance, entende? Porque ele tem de acreditar no texto para vender
com a ênfase que o autor precisa. Mas, ao mesmo tempo, ele deve ter olhares editoriais sobre
a coisa. Afinal, não pode dispender um tempo com algo que não vai virar.

Para mim, como agente, por exemplo. Neste exato momento não estou procurando livros
eróticos ou hot. Nem livros gigantes, com centenas de inúmeras páginas. Porque? Porque no
meu catálogo de autores já tenho um número considerável de autores nesse segmento para
suprir a minha demanda. Entendem?

Bom, voltando. Ele vai oferecer o seu livro para as editoras e, assim que surgir a proposta,
negociará com as sugestões e pedidos que desejar, e intermediará o processo até o final, a
publicação. Ele será o tradutor oficial entre os dois, evitando ruídos no diálogo. Também irá
aguentar os “pitis” do autor no lugar do editor, e os “fumos e cobranças” do editor no lugar do
autor. Estava pensando que era fácil? Nada, nada.

O agente vai tentar te dar os melhores conselhos sobre os livros. Irá ler as suas obras em
primeira mão e falar sobre o que deve ser mudado e o que não. A pessoa que vai te chamar a
atenção caso veja algo errado será ele. E as cobranças e estratégias devem ser feitas com ele, não com a editora ou o autor. E com isso ele vai ficar com 20% dos seus direitos autorais, aqueles que você ganha da editora que ele fechou.
O agente editorial irá vender e defender a sua obra com unhas e dentes. Mas só se tiver
números e comportamento que não o denigra diante do público. Coisas tipo, escritor(a) que
escreve para adolescentes tirando fotos sensuais nas redes. Será que isso tem aprovação do
seu público? Ou aquele que acha que o Facebook é o Muro das Lamentações… Não se
esqueçam de que não só as editoras ou autores podem rescindir contratos. Os agentes
também.

Então, antes de procurar um agente, saiba que em que ocasião procurar um agente.
Infelizmente, aqui no país você deve iniciar a sua jornada sozinho. Os primeiros passos e
divulgações serão seus. E ,para falar a verdade, só não terá de se divulgar e ser presente
sempre quando o seu nome for referência, o que infelizmente ainda não acontece com muita
gente daqui. Com bases e dados bons para trabalhar, o agente poderá te ajudar. E mesmo
assim vocês terão uma longa jornada juntos, de erros e de acertos. Por isso, escolha alguém
que confie, que jogue limpe e de forma aberta com você. É um relacionamento, onde os dois
tem muito a ganhar.

Espero ter respondido um pouco das dúvidas.

Quer saber mais? Quer indicar algum tema? Mande para a gente no euleiobrasil@gmail.com
com o título “Conversa nos Bastidores”.

Um abraço

10375121_10204414624183148_2545501453205467118_n

Danilo Barbosa é escritor, editor e agente.

literaturadecabeca@gmail.com