vintage-1950s-887272_1920

por Luisa Aranha

 

“ Querida autora,

Adorei seu livro. Mas achei o fim sem graça.  Afinal a mocinha não casou e teve filhos com o mocinho.  Esperava mais.

 

Com carinho,

Sua leitora”

 

Eu inventei esse bilhete, confesso. Mas ele é baseado em várias mensagens que já recebi por aí. Acho que desde que voltei a escrever, os meus finais, nunca são os finais que as leitoras esperam. Os livros, normalmente, terminam antes da rotina do casamento,  das estrias da gravidez, as noites não dormidas porque o bebê chora demais ou de todos os dramas que, nós, mulheres, sofremos, com a carga mental que temos quando somos mães, esposas, profissionais e donas de casa.

Não é que eu seja contra relacionamentos ou casamentos, bem pelo contrário, gente! Eu adoro! Acho que estar com alguém — os desafios das rotinas, as mudanças e crescimentos —, sensacional, e, mesmo tendo passado por um divórcio bem complicado, pretendo ter isso novamente em minha vida. Não me interpretem mal.

Minha questão é: por que todas as nossas protagonistas precisam casar e ter filhos? Algumas delas podem ser felizes sem um par romântico. Outras sem filhos. Por que nós precisamos continuar generalizando as mulheres como se fosse essencial ter um companheiro — que nos livros costumam ser sempre perfeitos —  e procriar para ser feliz na vida?

Tenho passado bastante tempo desconstruindo  conceitos que estavam dentro de mim e que validavam comportamentos que eu julgava certo. E nessa desconstrução, tenho percebido, como, mesmo sem querer, eu já estava fazendo essa reflexão nas minhas histórias.

A gente idealiza tantas coisas na literatura. Os empregos perfeitos, os corpos perfeitos, as vidas perfeitas. As casas grandes e confortáveis, os carros potentes. Tudo num padrão que foi inserido como ideal — e muitas vezes inatingível — de felicidade. Será?!  

E dentro desses altos padrões de felicidade também idealizamos que para ser feliz a mulher precisa casar e ter filhos. Oi?! Por que? Uma mulher solteira não é capaz de ser competente? Ou ela não sabe fazer nada sozinha que precisa de alguém ao seu lado? Por que ela precisa de filhos?

Ai começamos com um carretel de desculpas, que não fazem o menor sentindo: “quem vai cuidar dela quando for velha?”, “mas é natural da mulher ter esse instinto materno, é a sua função na natureza”, “coitada, mas ela vai ficar sozinha? Vai ser amargurada”, e por aí vai.

Por que? Me respondam por que nós temos a tendência a achar que uma mulher solteira não pode ser bem resolvida sexualmente e ter parceiros com esse fim?  Por que precisamos de filhos para cuidar de nós? Amigos, sobrinhos, instituições, profissionais… ninguém pode fazer essa função. Somente filhos?

Nós nem sabemos porque repetimos essas ideias. Apenas repetimos e quando nos questionamos sobre os argumentos que sustentam todo esse conceito de final feliz  é que nos damos conta que não fazem o menor sentido.

O que eu quero dizer, querida leitora, que me escreveu o bilhete acima, é que o final feliz está ali. Porque precisamos parar de repetir que finais felizes só acontecem para mulheres que se casam e que tem filhos.  Assim como precisamos parar de acreditar que existe um final feliz, quando a felicidade está em pequenos momentos do dia a dia, no meio de todas as confusões e drogas que acontecem na vida, de repente, ela está ali… sem nunca ter final. A não ser quando a gente morre… mas isso é assunto pra outra coluna!

 

Beijos e até a próxima!

 

Sugestões de leituras (onde os finais feliz não dependem de casamentos e filhos)

Perdida na vida

Todas as bocas que beijei (ou sonhei)

Três formas

Dragão do Norte

                                                                                                                                                                                  DSC_0034Luísa Aranha é jornalista, blogueira e escritora. Tem o chimarrão como seu companheiro inseparável nas horas de trabalho. Escrever para ela é tão natural quanto respirar. Antes de ser alfabetizada já era uma contadora de histórias, inventando brincadeiras e diálogos com suas bonecas. Todos os seus trabalhos podem ser conferidos no seu site: www.luisaaranha.com.br