WhatsApp Image 2019-02-02 at 18.38.36

Por Humberto Lima

 

“Meus filhos terão computadores sim, mas antes terão livros.

Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever –  inclusive a sua própria história.”

 

Em um primeiro momento vamos deixar de lado o autor dessa frase.

Vamos falar de modernidade.

Hoje no mundo conectado, dominado por smartphones, notebooks e outros periféricos, quem mais pensa em ficar com livro aberto? Papel? Coisa de velho!

Olha, vou ser sincero… eu mesmo não consigo ler em computador! Acho péssimo!

Em celular também detesto ler. Escrever, até escrevo. Ler? Nem tanto!

Também né? Para os padrões de vocês eu sou velho, atravessei dois séculos, vi o regime militar, presidentes subirem, caírem e nunca deixei de ler.

O hábito da leitura é muito antigo e ele vai se acumulando e se apropriando das tecnologias que surgem com o tempo. O antigo sumério que lia na tabuleta de argila em símbolos cuneiformes a Epopeia de Gilgamesh (procure para ler, é fenomenal) com toda certeza é a mesma criança que hoje arregala os olhos lendo Harry Potter.

Não importa o que temos nas mãos: tabuletas, folhas de pergaminho, livros em papel, e-books em tablets ou smartphones, o importante é nunca perdemos o encanto por ler.

Ah, ia me esquecendo de uma coisa: o autor da frase, poxa!

Ele é nada mais, nada menos que Bill Gates, a pessoa que fez com que cada um de nós tivesse um celular na mão utilizando um sistema operacional!

Apesar de fazer parte da modernidade líquida, em que a maneira de se apropriar do conhecimento muda de forma rapidamente, esse grande homem sabe que não existe nada mais importante que um bom livro!

Abra-o, cheire-o e devore-o!

Leia mais!

Pense nisso: pensar enlouquece!

 

Humberto Lima é professor de Geografia e observador do mundo. Reside em São Paulo, capital na região da Zona Leste, tem um filho de 23 anos. Apaixonado por terror em filmes, seriados e livros. Amante de mitologia e estudante em tempo integral com áreas de interesse que abrangem do sobrenatural ao banal, do erudito ao pop. Participa em mais de 25 antologias em editoras diversas.